Últimas notícias sobre os mercados em 26 de março

Últimas notícias sobre os mercados em 26 de março

Bolsas asiáticas fecharam em queda e bolsas europeias operam em baixa.

As principais bolsas do mundo operam em direções mistas nesta quinta-feira (26), com expectativas de mais medidas de estímulo econômicos após dados mostrarem que os Estados Unidos registraram número recorde de pedidos auxílio-desemprego na semana passada em meio aos impactos provocados pela epidemia de coronavírus e após o grupo dos 20 países mais ricos anunciar que vai injetar US$ 5 trilhões na economia para superar os efeitos do coronavírus

mercado asiático, que havia mostrado recuperação na véspera, fechou em queda.

Veja os principais destaques do dia

  • Dólar: opera em queda de 0,71%, a R$ 4,9970 (na mínima, R$ 4,9728)
  • Ibovespa: opera em alta de 4,25%, a 78.142 pontos
  • Bolsa de Nova York (Dow Jones): opera em alta de 5,26%
  • Bolsa de Londres: opera em alta de 1,07%
  • Bolsa de Frankfurt: opera em alta de 0,58%
  • Bolsa de Paris: opera em alta de 0,99%
  • Bolsa de Madri: opera em alta de 0,41%
  • Petróleo WTI: opera em queda de 4,53%, a US$ 23,38
  • Petróleo Brent: opera em queda de 1,17%, a US$ 27,07
  • Bolsa de Tóquio: fechou em queda de 4,51%
  • Bolsa de Xangai: fechou em queda de 0,60%
  • Bolsa de Seul: fechou em queda de 1,09%
  • Bolsa de Sydney: fechou em queda de 2,30%

Atualizado às 12h24

Últimos destaques

  • O G20 faz um encontro extraordinário e anunciou que o grupo de países irá injetar, em conjunto, US$ 5 trilhões na economia global.
  • O número pedidos de auxílio-desemprego nos EUA disparou para o recorde de 3,28 milhões na semana passada, conforme medidas restritivas para conter a pandemia paralisam o país, desencadeando uma onda de demissões que provavelmente puseram fim ao maior ‘boom’ de emprego na história norte-americana.
  • As bolsas italiana e espanhola tinham viés de baixa nesta quinta, após o número de mortes por Covid-19 na Itália superar 7.500, enquanto as da Espanha subiram para além de 3.600, excedendo o número total de mortes na China.
  • O Banco Central brasileiro, que antes previa uma expansão de 2,2% para a economia brasileira em 2020, revisou o número e passou a projetar estabilidade para o nível de atividade, ou seja, sem alta nem queda – um ‘PIB zero’.
  • Decreto publicado nesta quinta pelo presidente Jair Bolsonaro inclui atividades religiosas em lista de serviços essenciais, além de lotéricas, geração e transmissão de energia, produção de petróleo, atividades de pesquisa científica e laboratoriais e atividades médico-periciais.
  • O Produto Interno Bruto (PIB) de Singapura registrou contração de 2,2% em ritmo anual no primeiro trimestre, o pior resultado desde a crise financeira de 2008, de acordo com as estatísticas preliminares.
  • Na França, o Instituto Nacional de Estatísticas estima que as medidas de confinamento provocam uma perda de quase 35% da atividade econômica do país e afirmou que cada mês de confinamento pode representar uma queda em ritmo anual de três pontos do PIB.O G20 faz um encontro extraordinário para tentar dar uma resposta à pandemia que já matou mais de 21 mil pessoas no mundo; em comunicado, líderes disseram que US$ 5 trilhões serão injetados na economia global; valores vão tanto para a saúde como os efeitos como desemprego e falências.